20 anos de Sandman

Para notifica-los, meus artigos sobre 20 anos de sandman já estão no ar:

sandmanbydaldoceyn3Eu não sei se vou conseguir transmitir nesse artigo tudo o que eu tenho para dizer, afinal Sandman é uma obra imensa,  são cerca de 2.000 páginas, mais especiais, o que torna a extensão dos temas abordados demasiadamente vasta para um artigo como esse. Portanto, escolhi que vou me deter sob um tema central., sobre o que eu acredito que a série fale mais alto, mesmo que alguns detalhes da mesma sejam gritantes. De forma alguma tenho a pretensão de que esta pequena reflexão se torne a verdade sobre a série, pois tais coisas não existem, a única verdade sobre Sandman é que ela é uma obra bastante subjetiva.

Uma vez perguntaram a Neil Gaiman como ele resumiria Sandman, e eis que ele respondeu: “O rei dos sonhos aprende que deve mudar ou morrer e faz a sua escolha”. É um resumo bastante simples mais traz muito em seu enunciado. A série que se inicia com o encarceramento de Morpheus, tenta mostrar o quanto esse perpétuo mudou ao sair da casa de Alex Burgess. A série revolve a partir da questão da identidade e sobre o que é ser verdadeiro consigo mesmo.

Outra marca da série, é justamente sua construção como meta-linguagem (quase como monomito segundo Joseph Campbell), ou seja ser uma história sobre todas as histórias, na medida que o personagem principal é Sonho. Gaiman afirma que estava aterrorizado pela idéia de escrever uma série mensal e que o conceito de Sandman (uma máquina de histórias mais velha que o próprio tempo segundo ele) o permitia contar qualquer coisa que ele quisesse, do terror à ficção científica. Portanto somos confrontados o tempo todo por referências literárias das mais diversas, até mesmo de belos trabalhos imaginativos do autor, como poemas apenas sonhados por famosos escritores.

Hy Bender, autor do “The Sandman Companion” faz um excelente trabalho ao sintetizar a obra:

“Sandman é sobre um ser que é a personificação dos sonhos e rege o lugar onde passamos um terço de nossas vidas. A série ilustra como este ente “divino” começa a questionar suas ações no passado, as conseqüências desse seu questionamento; e os personagens memoráveis que ele encontra ao longo do caminho.

Sandman é também sobre espiar a superfície por trás das coisas, e reconhecer a importância dos sonhos, mitos e as trancendências em nossas vidas.

E por fim, Sandman é sobre histórias – de onde elas vêm e como elas nos moldam.”

daniel-thewakeUm exercício interessante é tentar reler a série cronologicamente, ou seja, em vez de seguir a numeração usual, ler as histórias em ordem de período. Se iniciando no Conto de Nada (Sandman 9, Histórias na Areia) e terminando em Exiles (Exilados) ou Sunday Morning (Domingo de manhã) (Sandman 74 e 73). É bastante interessante a evolução que nos é apresentada. Na primeira história (se desconsideramos o conto de sonho em Noites sem Fim, quando a terra nem havia sido formada), estamos diante de Kai’ckul, um rude e mesquinho lorde dos Sonhos, capaz de sentenciar alguém ao inferno por dez mil anos, apenas por que seu amor lhe foi negado. Em a Canção de Orpheus (Sandman Especial) vemos ele ignorar as súplicas de seu filho e abandona-lo friamente a própria sorte. Até finalmente encontrarmos o Morpheus após o aprisionamento, que aos poucos começa a amadurecer, mas que ainda apresenta diversas características de um típico adolescente, como quando é deixado por Thessaly, e opta por se trancar em seu castelo, criando uma nuvem negra de chuva durante meses a fio. Ainda sim, aos poucos percebemos que de alguma forma ele mudou. Ele salva Callíope, perdoa seu filho, busca o Pródigo, e parece pela primeira vez realmente ouvi-lo. Este mesmo Sonho finalmente parece entender os motivos por detrás do afastamento de seu irmão. Finalmente começa a enxergar o mundo além de si mesmo. Mas ainda era impossível mudar. Ele ainda era incapaz. Lucien, ou Adão, o livreiro do sonhar, um dos poucos próximos de Morpheus compreende de forma esplêndida o que ocorreu com seu amo: “No final, talvez, deve se mudar ou morrer. E acredito que haviam limites sobre o quanto ele se deixaria mudar”.

Quando Daniel assume o manto como Sonho, obviamente temos a mesma sensação de Matthew (“você não é ele, não importa o que você diga”), mas aos poucos vamos percebendo que aquela “nova proposta” de Sonho, que retira todas as vinganças de Morphues (libertando Richard Madoc, Alex Burgess, Lyta Hall), é efetivamente alguém melhor, capaz de tocar o próximo, capaz de perdão. Em sua clareza, vemos que o sacrifício de Morpheus realmente resultou em um caminho melhor para todos, inclusive para ele, na paz que encontrou.

Quando vamos rever Morpheus pela última vez, no sonho de seu amigo Hob Gadling (em Sandman 73), ele está feliz e sorrindo em uma praia distante com o seu irmão Destruição. A cena é notavelmente intrigante, pois é com o seu encontro com o Pródigo que ele acaba (talvez até mesmo inconscientemente) optando pelo suicídio. Ao sair da casa de seu jovem irmão, onde ele aprende que “não existe tal coisa como moeda de um lado só, que existem dois lados em todo horizonte”, ele se dirige a casa de Orpheus, seu filho, para finalmente o perdoar, lhe concedendo a morte que ansiava há 2.500 anos. Ele quebra aqui uma das únicas regras que parecem de importância fundamental para os Perpétuos, derramar o sangue da família.

A partir daí a série nos mostra suas últimas resoluções. Todos os nós são devidamente atados (e essa metáfora é usada pelas fúrias no inicio de todas as edições de “The Kindly Ones / Entes Queridos”), e somos levados por um clímax belissimamente orquestrado. Vemos diversos outros personagens lidarem com os mesmos problemas identitários, como as fadas Nuala e Cluracan, uma que finalmente está pronta para se passar por sua crisálida e outro que dá a luz ao seu próprio nemêsis.

Ainda sim, tudo transcorre como em um sonho. A série quando colocada em perspectiva parece levar o ritmo e a melodia de nossos devaneios. Neil Gaiman faz questão de nos colocar lá. Nós presenciamos a morte de um sonho, mas como o centurião Romano de Exiles (Sd 74): “Omnia mutantur, nihil interit” ou “tudo sempre muda, mas nada é verdadeiramente perdido”. E é isso que sentimos, quando ficamos em luto por ele em seu funeral. Eu estava lá, todos nós estávamos, mas como em sonhos, nem todos se lembram quando acordam. Todos sofremos por ele, mas no fundo, nada realmente havia morrido. Morpheus era no fim apenas uma das milhares de idéias que constituem a função de “Sonho”.

O que temos no fim, é uma maravilhosa jornada onde verdadeiramente nos transformamos junto com o Lorde Moldador. Quando Daniel encontra Destruição ele o fala “No passado você nunca esteve muito inclinado em ouvir os meus conselhos, mas as coisas mudam não?” e Daniel, um novo e amadurecido Sonho responde: “Sim, elas mudam”, o que na minha opinião reflete uma oposição direta a afirmação que Morpheus fazia a Shakespeare no século XVI (Sd 75), onde o autor afirmava que todos os homens podem mudar e o velho Sonho respondia “Eu não sou um Homem, e eu não mudo”, o que hoje sabemos com certeza que era uma das ilusões que ele apenas mantinha para si mesmo.

Em suma um dos temas fundamentais da série, se trata sobre identidade. Como é difícil aprendermos quem somos, entendermos a transitoriedade de nossa vida e e de nossa personalidade. É sobre aceitar quem você é e agir a partir desse conhecimento. É sobre acreditarmos em sonhos e no poder das histórias e sobre como somos transformados por estes e por tudo que desejamos. De certa forma, a extensão e oniricidade de Sandman, o fazem uma série sobre a vida: de todas com todas as suas histórias e todos os seus sonhos.

A melhor cena para sintetizar a morte Morpheus, é quando o emissário Eblis O’Shaugnessy, o mais novo ser presente no funeral (que acaba de ter sido criado do barro pelos perpétuos para administrar o rito) acaba por se encontrar com Daniel. Quando ele e Lucien se dirigem a Necropolis o emissário pergunta:

sandman71

“Senhor bibliotecário, quem era o jovem lorde de branco?”

Lucien (com seus “filhos Caim e Abel atrás de si”) responde:

“Ele era Sonhos dos perpétuos.”

“Ele era? Mas e o despertar? A cerimônia. Eu fui notificado que Sonhos dos perpétuos era o morto”

“Sim” – Lucien responde de forma triste.

“Então quem morreu?”

Caim intervêm na conversa:

“Ninguém morreu. Como você pode matar uma idéia? Como você pode matar a personificação de uma ação?”

O emissário Eblis O’Shaugnessy, confuso pergunta:

“Então o que morreu? Por que vocês estão de luto?”

E por fim Abel responde:

“Um ponto de vista.”

Para mais textos do especial de 20 anos de sandman, entre no ambrosia

Anúncios

~ por Olethros em 10/01/2009.

2 Respostas to “20 anos de Sandman”

  1. Pode deixar, eu estarei acompanhando as novidades do site 🙂

  2. Bem, acho que ninguém, por mais fanático que fosse por Sandman conseguiria mostrar o tema e o fascinío que a obra tem de uma forma melhor. Muito bom mesmo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: